Família Igreja Doméstica Testemunha da Esperança

IMG 20210128 093942

A 28 de janeiro de 1921, numa aldeia chamada Aquém, da região de Benauím, Goa, nasceu o senhor José Jacinto da Anunciação Peregrino da Costa, o primeiro varão dos oito filhos do casal Da Costa, ele médico, ela cuidadora do lar, ambos profundamente católicos. 

Desde muito cedo assumiu a responsabilidade de conservar e aumentar o património familiar, de cuidar do sucesso dos irmãos e de garantir a descendência. O património da família do senhor cónego Jacinto foi Cristo, tesouro que lhe foi desvelado na catequese familiar. 

Jacinto tornou-se presbítero a 26 de outubro de 1944, completamente consagrado a Cristo e que com a graça de Deus age in persona Christi. 

Cónego Jacinto chegou a Cabo Verde, como secretário particular do Bispo Dom José Colaço, a 18 de agosto de 1956.  

Na nossa Diocese o senhor cónego desempenhou várias funções, como: vigário judicial do tribunal diocesano, cónego da Sé de Cabo Verde e consultor diocesano, chanceler da Cúria e chefe de secretaria, presidente da Cáritas cabo-verdiana e professor durante toda a sua vida em Cabo Verde. 

Na revolução de abril o senhor cónego firmou-se como cabo-verdiano, assumiu a nossa cidadania e nacionalidade, para se sentir radicado e identificado com a realidade cabo-verdiana. Foi um dos principais conselheiros e orientador do Bispo Dom Paulino Évora, que veio de fora para assumir o cargo da Diocese, e que apesar de ser cabo-verdiano, não tinha feito uma experiência aprofundada da situação da Igreja em Cabo Verde. O senhor cónego estava a par da real situação do país e as necessidades do futuro. 

Como professor (físico-química) teve um papel importante na formação humana e intelectual de várias gerações de Cabo-Verdianos. Era conhecido como uma pessoa discreta, respeitadora da sensibilidade dos outros, aberto a todos, encorajador de perspetivas novas, dedicado nos seus trabalhos e grande conhecedor da alma humana. 

Dom Arlindo Furtado, Bispo de Santiago de Cabo Verde, descreve o senhor cónego como um homem culto e sábio, que usou a sua capacidade humana de discernimento para ajudar as pessoas a verem a realidade, a abrirem os caminhos para o futuro; como um grande pedagogo, que sempre soube escutar de uma forma extraordinária e falava só aquilo que era necessário, ajudava a descobrir cominhos. 

Guardámos hoje na memória um pedagogo de primeira grandeza, um pedagogo por excelência, e como homenagem, os seus alunos promoveram a atribuição do nome dele a um liceu de Cabo Verde, Liceu Cónego Jacinto, da Várzea. 

O senhor cónego Jacinto faleceu a 16 de agosto de 1997.